Um dos assuntos que mais ocupou espaço entre os pensadores cristãos liberais e fundamentalistas no século XX foi a questão da responsabilidade social da igreja. Enquanto uma linha radical do liberalismo postulava um evangelho puramente social, sem nenhuma verticalização, outra linha radical do fundamentalismo advogava uma missão dicotômica, na qual o ser humano é visto tão somente através de uma lente espiritual, sem nenhuma ligação com os demais aspectos da vida e da existência humana.

1